quarta-feira, 17 de maio de 2017

Repórter que fazia reportagens de combate ao tráfico é executado por traficantes; Imagens

Javier Valdez, jornalista do Ríodoce, um dos repórteres que mais e melhor contou a violência do tráfico em Sinaloa, foi baleado na segunda-feira em plena luz do dia em Culiacán, capital do estado, depois que homens interceptaram seu veículo, segundo as primeiras versões levantadas pelo semanário em que trabalhava. Valdez é o sexto jornalista assassinado até agora, neste ano, no México, mais que a metade do ano passado, que bateu recordes com 11 execuções. Desde 2000, mais de 100 foram mortos.
“O jornalista do Ríodoce, Javier Valdez Cárdenas, foi assassinado há pouco na rua Vicente Riva Palacio, entre Ramón F. Iturbe e Epitacio Osuna, da Colonia Jorge Almada”, afirmava a concisa nota com a qual Ríodoce confirmava a morte de seu repórter. “De acordo com informações preliminares, o autor da coluna Mala Yerba, dirigia um Corolla vermelho de modelo recente, por aquela rua, quando foi interceptado por indivíduos que o balearam”, acrescenta o texto.
O presidente, Enrique Peña Nieto, condenou o atentado contra Valdez. A reação às cinco mortes prévias à de Valdez tinha sido até agora a nomeação de um procurador para crimes contra a liberdade de expressão, uma medida no mínimo irrisória se considerarmos a magnitude da tragédia.
Javier Valdez era uma eminência, o grande cronista do tráfico de drogas em Sinaloa, um dos jornalistas especializado em crime organizado mais respeitados do México.

Fonte: El País - texto resumido.
adsense links